novidades

Notícias

  • 19 Fev

    Publicação 2009 disponível

    Os dados de incidência de Cancro na Região Norte (2009) já estão disponíveis.

  • 02 Dez

    Sobrevivência 2007-08

    Já se encontra disponível a publicação Sobrevivência Global - RORENO 2007/2008.

  • 01 Dez

    CONCORD-2

    Já foi publicado na revista The Lancet o primeiro artigo resultante do projecto internacional CONCORD-2, no qual o RORENO participou.


     

     

    CONCORD-2

    Global surveillance of cancer survival 1995-2009: analysis of individual data for 25,676,887 patients from 279 population-based registries in 67 countries (CONCORD-2)

     

    O texto do artigo pode ser encontrado aqui.

     

    O trabalho, desenvolvido por 500 investigadores (nos quais se incluem elementos do RORENO), com dados de mais de 25 milhões de doentes em 67 países mostra que o cancro é mais letal em algumas regiões do que noutras. O estudo, designado CONCORD-2, refere que a maior parte das diferenças observadas "é provavelmente atribuível à desigualdade no acesso aos serviços de diagnóstico e tratamento." O programa Concord consiste numa colaboração internacional que analisa os dados das políticas nacionais do controlo do cancro. A primeira avaliação, publicada em 2008, apresentava valores de sobrevivência para quatro tipos de tumor em 31 países e descobriu grandes diferenças na sobrevivência entre os doentes norte-americanos de raça branca e de raça negra. Este segundo documento, publicado ontem na revista médica The Lancet, contém estimativas para 10 tipos de cancro em países correspondentes a dois terços da população mundial.

     

    De entre os tumores estudados, os do fígado e pulmão têm o pior prognóstico, com uma sobrevivência a cinco anos inferior a 20% na maioria dos países, tanto ricos como pobres. Por outro lado, o cancro da mama e da próstata apresentaram as sobrevivências mais elevadas, superiores a 70% na maioria dos países.

     

    Em Portugal, a participação dos quatro Registos Oncológicos Regionais (RORENO, ROR-Centro, ROR-Sul e RORA) permitiu a elaboração de estimativas baseadas na cobertura nacional de Registo Oncológico no País. Dos resultados nacionais salienta-se a elevada sobrevivência a 5 anos para o cancro do estômago (33%), que coloca Portugal no 3º lugar dos países europeus com maior sobrevivência para este tumor. Em relação ao período 1995-2009, verificou-se um aumento de sobrevivência de cerca de 20% para a leucemia linfoblástica aguda nas crianças, sendo a sobrevivência a 5 anos de 87% no período de 2005-2009.

     

    Os principais autores do estudo, entre os quais se encontra a epidemiologista portuguesa Helena Carreira, concluíram apelando à Organização Mundial da Saúde e às Nações Unidas para reduzir "as crescentes dificuldades jurídicas e processuais" no acesso aos dados dos doentes oncológicos. Recordam, nomeadamente, as novas leis de proteção de dados que a UE prepara atualmente, que "tornarão ilegais ou impossíveis os registos oncológicos e a maior parte da investigação no campo da saúde pública em 28 países europeus."

  • 21 Nov

    RO Nacional 2008

    Já se encontra disponível a publicação Registo Oncológico Nacional 2008.

Pág. 2 de 3